O que é peeling

A palavra peeling é originada do inglês “to peel”, que significa descamar ou descascar. Isso porque o objetivo do procedimento é renovar as células da pele por meio da descamação. Esse é um tratamento muito eficaz para rugas, manchas e até mesmo para a oleosidade. O peeling pode ser de dois tipos: físico ou químico.

O peeling físico se dá por meio de agentes que induzem a descamação, desde lixas e cremes abrasivos até aparelhos que realizam uma microabrasão na pele por fluxo de cristais – peeling de cristal – ou lixas de pontas de diamantes – peeling de diamante. É um método indolor, seguro e por meio do qual o paciente percebe melhora imediata no tônus, textura e pigmentação da pele

Peelings químicos são feitos com a aplicação de agentes, como os ácidos salicílico e retinoico, que removem as camadas superficiais da pele, para que depois ela se regenere com uma aparência melhor. Eles são utilizados para a atenuação de rugas, manchas e, também, no auxílio do tratamento de sinais da acne.

Como o peeling age e seus benefícios

Diferentes tipos de peeling podem agir na sua pele de maneiras distintas, por isso, se você tiver dúvida do qual é o mais apropriado para você, deve procurar um dermatologista que indicará qual é o procedimento adequado para deixar sua pele mais bonita. Um bom peeling é capaz de reduzir manchas, rugas, sinais e lesões, melhorando a aparência da pele. Os procedimentos podem agir de maneira superficial, média ou profunda.

O peeling superficial atinge apenas a epiderme e é indicado para o tratamento de manchas e melasmas, além de prevenir cravos e espinhas. Já o peeling médio é indicado para amenizar rugas e marcas mais profundas. Muito eficaz para peles enrugadas e na correção de sinais de acne, o peeling profundo é feito em clínicas, com anestesia, monitoramento cardíaco e das funções hepáticas, tudo para garantir que a química utilizada não caia na corrente sanguínea do paciente e também para que ele não sinta dor durante o procedimento.

Cuidados antes e após o peeling

Alguns tipos de peeling requerem cuidados prévios, que podem interferir diretamente nos resultados finais do procedimento, então prepare sua pele. Para aplicar agentes químicos, por exemplo, ela deve estar limpa e desengordurada. Se você for realizar um peeling com o objetivo de clarear manchas, o uso de um creme clareador combinado com ácido retinoico pode te garantir melhores resultados.

Após o peeling, aposte no uso de sabonetes neutros nos primeiros dias depois do procedimento. Além disso, evite a exposição ao sol sem proteção, dando preferência a protetores próprios para peles sensíveis. Para reduzir o inchaço e a ardência, compressas geladas de chá de camomila podem ajudar bastante. Qualquer produto que gere ardência deve ser removido imediatamente no período de sete a dez dias após o peeling.

Mitos e verdades sobre o peeling

Procedimentos estéticos estão sempre rodeados de mitos, por isso vamos esclarecer alguns sobre o peeling. Só o rosto pode receber o peeling químico? Isso é um mito, já que qualquer área do corpo que contenha manchas pode ser tratada com ele. No entanto, o procedimento é bastante utilizado no rosto pois trata rugas e linhas finas, proporcionando um rejuvenescimento facial.

Outra dúvida bem frequente é se ele pode ser feito apenas no inverno. É mais recomendado que você faça o tratamento nessa época do ano pois a exposição solar é menor, já que não vamos à praia ou piscina com frequência. Após o peeling químico, por exemplo, é recomendado evitar a exposição ao sol durante dez dias, o que é mais difícil no verão. No entanto, nada impede que você faça em qualquer época do ano desde que tome os devidos cuidados, como o uso de protetor solar.